Foto da capa

Foto da capa

- Mundo segue como um sonâmbulo em direção aos desastres naturais

 

o mund Suíça - O mundo está caminhando "como sonâmbulo" em direção a desastres naturais evitáveis cujos efeitos poderiam ser significativamente reduzidos com um aumento modesto nos gastos com redução de riscos, disse na terça-feira, 16, John Holmes, subsecretário-geral de assuntos humanitários da ONU.

"As tendências em desastres, especialmente os causados pelas mudanças climáticas, são uma preocupação enorme", afirmou Holmes em entrevista coletiva.

Ele falou no início da Plataforma Global para a Redução de Riscos de Desastres, que ao longo de quatro dias reúne mais de 1.800 participantes de 169 governos e cerca de 140 organizações internacionais e não-governamentais.

Holmes disse que os esforços de redução de riscos melhoraram desde o tsunami de 2004 no Oceano Índico, que matou 250 mil pessoas, mas que é preciso fazer muito mais.

Ele espera que a Plataforma Global concorde em gastar 3 bilhões de dólares por ano com a redução de riscos de desastres. Esse valor representa cerca de 10 por cento dos 8 bilhões de dólares gastos anualmente com ajuda após desastres, mais 1 por cento do orçamento de assistência ao desenvolvimento, de 239 bilhões de dólares.

A título de comparação, disse Holmes, os desastres em 2008 causaram 200 bilhões de dólares em prejuízos. O custo de dois anos antes foi um quarto disso, e a tendência evidente é de aumento.
"Os desastres mais prejudiciais em países em desenvolvimento podem dar a impressão de causar menos danos porque os bens danificados custam menos, mas os danos reais em termos de vidas e subsistência são muito maiores", disse Holmes.

Cerca de 90 por cento dos desastres estão ligados ao clima, segundo o funcionário da ONU, observando que os ciclones no Brasil em 2004 e Omã em 2007 foram de intensidade nunca antes vista nessas regiões.

Os terremotos maciços em Sichuan, China, no ano passado e outro na Itália este ano evidenciaram a necessidade de padrões mais rígidos de construção e a importância de implementar esses padrões.

As prioridades na reunião da Plataforma Global incluem planos para proteger escolas e hospitais contra desastres, reforçar os sistemas de aviso antecipado, reduzir os assentamentos humanos em áreas de risco e restaurar e proteger os ecossistemas.

A maioria das dez maiores "megacidades" mundiais, com 25-35 milhões de habitantes, fica em áreas costeiras perigosas ou zonas de risco de terremotos. Quase 1 bilhão de pessoas vivem em "assentamentos informais" ou favelas urbanas, e esse número cresce em 25 milhões de pessoas por ano, à medida que a urbanização expõe mais pessoas ao risco de desastres, disse Holmes.

Fonte: www.terra.com.br em 16/6/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens em Destaque

Amilton Passos em Contos, Crônicas e Poesias

Amilton Passos em Contos, Crônicas e Poesias