Chorinho Antigo

O dodecafonismo é um sistema de organização de alturas musicais criada na década de 1920 pelo compositor austríaco Arnold Schoenberg.

Em busca de variações em relação ao sistema tonal, no início do século XX, os compositores buscaram maneiras alternativas de organização das notas musicais, posteriormente denominadas atonalismo, que não fossem baseadas na polarização de um eixo harmônico central como ocorre no tonalismo. Schoenberg compôs algumas peças desta maneira, porém, logo considerou o atonalismo demasiadamente caótico. Construiu, então, um método para organizar os doze sons da escala cromática igualmente. Essa técnica foi apresentada como "sistema dos 12 sons", que logo ficou conhecida como dodecafonismo serial. Décadas depois, compositores como Pierre Boulez e Milton Babbitt ampliaram o conceito original e criaram o serialismo integral. Nesta variação da técnica todos os parâmetros musicais, como duração, timbre, altura e intensidade são ordenados segundo os princípios elaborados por Schoenberg.

No Brasil, o dodecafonismo foi introduzido pelo compositor Hans Joachim Koellreutter. Foi amplamente utilizado no Brasil por diversos compositores como Guerra Peixe, Edino Krieger, Cláudio Santoro, José Penalva.  

Chorinho antigo - Frederico Zimmermann Aranha.

Fontes: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dodecafonismo
https://www.youtube.com/watch?v=1ym56szzx4g&list=WL&index=30

#Comovaivoce - Edição #83 do CVV - Número de suicídios cresce no Brasil.

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% ao ano no Brasil entre 2011 e 2022.
As notificações por autolesões na faixa etária de 10 a 24 anos ainda aumentaram 29% a cada ano, no mesmo período. Os dados fazem parte de um recente estudo do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde da Fiocruz Bahia, em colaboração com pesquisadores de Harvard. A pesquisa, feita a partir de registros do SUS, foi publicada na revista científica The Lancet Regional Health – Americas.
Um Boletim Epidemiológico divulgado este ano pelo Ministério da Saúde revelou que, em 2021, foram registrados 15.507 suicídios no Brasil, 77,8% deles entre o sexo masculino. Entre 2010 e 2021, a taxa de suicídios por 100 mil habitantes passou de 5,2 para 7,5.
Para entender melhor esses dados, o #ComoVaiVocê realizou uma entrevista com a líder da pesquisa da Fiocruz, a psicóloga Flávia Jôse Alves. Ela conta que um dos aspectos mais preocupantes é que os índices no Brasil têm subido ano a ano, ao contrário do que acontece em outros países. “O aumento das taxas é persistente ao longo do tempo, independentemente do que acontece naquele período, da raça ou etnia”, alerta.
Acompanhe em nosso canal do Youtube e aproveite para seguir o canal e ativar as notificações.

 

Fonte: https://www.youtube.com/@CVVOficial

Amor e perdão - Maria Dolores


Amor e perdão

A Madalena fora ao túmulo querido
Entre pedras de extremo desconforto...
Levava flores para o Mestre morto,
Tinha o peito magoado e enternecido.

O Sol reaparecia, resplendente,
A névoa da manhã fundia-se no ar,
Na dourada invasão das flamas do Nascente,
Maria estava ali, unicamente,
A fim de estar a sós, recolher-se e chorar.

A desfazer-se em pranto, ela arguia:
— “Por que, por que Senhor?
Tanta saudade e tanta dor?!...
Toda a felicidade que eu sentia
Jaz aqui sepultada...
Transformou-se-me a vida em sombra e nada
No ermo deste pouso derradeiro...”

Nisso, ela viu alguém... Seria um jardineiro?
Um zelador daquele campo santo?
Mas tomada de espanto,
Viu-se à frente do Mestre Nazareno,
O excelso benfeitor ressuscitado,
A envolver-lhe de paz o coração cansado...
Ela gritou: “Senhor!”
Ele disse: “Maria!”
Ela era a expressão da perfeita alegria,
Ele, o perfeito amor.

Madalena ajoelhou-se e quis beijar-lhe os pés...
— “Maria, por quem és” — explicou-se
“Não me toques, porquanto não te esperava aqui neste recanto,
e ainda não fui ao Pai revestir-me de luz...”
Maria, surpreendida,
indagou em seguida:
— “Senhor, onde estiveste?
Em que jardim celeste
Encontraste o descanso necessário,
Que vem de Deus, nos dons da paz completa?
Perdoa-me, Senhor, a pergunta indiscreta,
Dói-me, porém, pensar na angústia do Calvário,
Revolto-me, padeço, mas não venço
A mágoa de lembrar-te o sacrifício imenso”

Mas Jesus respondeu:
— “Não, Maria, não fui ainda ao Alto,
Nem me elevei sequer um palmo à luz do firmamento,
Quem ama não consegue achar o Céu de um salto...
Ao invés de subir aos Altos Resplendores,
Desci, mas desci muito aos reinos inferiores...
Despertando no túmulo, escutei
Os gritos da aflição de alguém que muito amei
E que muito amo ainda...
Embora visse Além, a Luz sempre mais linda,
Sentia nesse alguém um amado companheiro,
Em crises de tristeza e de loucura...
Fui à sombra abismal para a grande procura
E ao reencontra-lo amargurado e louco,
A ponto de não mais me conhecer,
Demorei-me a afaga-lo e, pouco a pouco,
Consegui que ele, enfim, pudesse adormecer...”

— “Senhor” — interrogou a Madalena
“Quem é o amigo que te fez descer,
Antes de procurar a luz do Pai?”
Mas Jesus replicou, em voz clara e serena:
— “Maria, um amigo não esquece a dor de outro amigo que cai...
Antes de me altear à Celeste Alegria,
Ao sol do mesmo amor a Deus, em que te enlevas,
Vali-me, após a cruz, das grandes horas mudas,
E desci para as trevas,
A fim de aliviar a imensa dor de Judas”.

----------------------------------------
Da obra: Coração e Vida - Cap 14: Amor e perdão.
Ditado pelo espírito de Maria Dolores
Psicografado por Francisco Cândido Xavier
Imagem: https://br.freepik.com/