Foto da capa

Foto da capa

- Remédios Espirituais

Se você está enfermo, não deixe que o desânimo tome conta de seus pensamentos Não se esqueça de que todo o processo de cura se inicia primeiramente na mente.

Não rejeite a medicina dos homens a pretexto de confiar exclusivamente na ajuda espiritual. O médico também é um mensageiro de Deus, Nenhum tratamento espiritual substitui o tratamento médico. Mas a cura verdadeira muitas vezes também requisitará medicação para os males do espírito.

Tenha fé na saúde, e não na doença, Jesus atribuía as curas que realizava à fé que as pessoas possuíam. Evite pronunciar palavras dramatizando as próprias dores. O homem se transforma no que pensa e naquilo que costumeiramente cultiva.

Você ajudará muito na recuperação da saúde se não se sentir um inválido. Aceite as limitações que a enfermidade lhe trouxe; todavia, procure se sentir útil em algum setor, pois o trabalho é dos melhores tônicos da vida.

No mais das vezes, a dificuldade orgânica é fruto dos desarranjos do espírito. Mágoas, ódio, ciúmes, raiva, melancolia, quando cultivados com insistência, convertem-se em venenos perigosos para o corpo. Faça uma desintoxicação espiritual.

No Evangelho, você encontrará, remédios milagrosos para esses males. Mas de nada adiantará, termos o remédio à nossa frente se não nos dispusermos a tomá-lo.

O doente não se cura olhando para a receita.

Agora mesmo está à sua disposição o mais potente remédio prescrito por todos os grandes Mestres espirituais da humanidade: Amor, que não tem contraindicação, pode ser usado a qualquer hora, previne a maior parte das doenças e é capaz de curas milagrosas. A doença talvez seja apenas um grito de socorro por mais amor em sua vida.

Fonte: José C.De Lucca / Livro: Forças Espirituais / Petit: Pág 21/22

- 20ª Encontro de Coros Espíritas do Distrito Federal

A cada ano uma cas espírita é escolhida para sediar o Encontro de Coros Espíritas do Distrito Federal. Desta vez, no dia 27 de maio, domingo, às 15 horas, a anfitriã será a Comunhão Espírita de Brasília, que sediou o primeiro encontro, na década de 90, coordenado por Heloína Cândido.

Nesta 20ª edição, o evento traz novidades. Quatro novos coros estarão estreando: Coral Raio de Sol, do Centro Espírita Auta de Souza (Planaltina DF); Coral Fé, da Casa Espírita Fonte da Esperança (Asa Norte); Grande Coro Espírita André Luiz e Grupo Esperança, ambos do CEAL, Guará I, que se apresentam em conjunto. Cada coro apresentará duas músicas.

Outras duas surpresas estão sendo preparadas, tanto para os coralistas como para o público: a apresentação de vídeo com mensagem sobre a importância mediúnica da música no tratamento dos enfermos e a apresentação da música “Uma bênção Antiga”, em homenagem a uma personalidade da Comunhão.

Venha prestigiar este grande evento cultural e musical das casas espíritas do DF. O evento será transmitido ao vivo pela Rádio e TV Comunhão, e pelo canal da Comunhão Espírita no YouTube.

Por Diva Ferreira

Fonte: http://mensageiro.comunhaoespirita.org.br/?p=10716

- Transição Planetária é tema de Mesa-redonda promovida pela FEB

A Federação Espírita Brasileira (FEB), com o apoio da Comunhão Espírita de Brasília, realiza no dia 25 de maio (sexta-feira) a mesa-redonda sobre o tema Transição Planetária.

Participam deste encontro o vice-presidente da FEB, Geraldo Campetti, Adilson de Moraes, presidente da Comunhão e os expositores Arismar Léon e Mayse Braga.

Os participantes abordarão aspectos sobre a transição planetária, com perguntas do próprio público.

Agende-se: 25/5, às 19h na Comunhão Espírita de Brasília (SGAS II St. de Grandes Áreas Sul 604 Asa Sul).

Informações: (61) 2101-6161 ou 3048-1801.

Acompanhe a transmissão ao vivo pelo site: www.tvcomunhão.com.br

Fonte: www.febnet.org.br

- Doenças imaginárias (De Lucca)

“No terreno das desconfianças de moléstias, é útil trazer o raciocínio como uma casa muito clara para que as sombras não penetrem. Quando a criatura dá acolhida à dúvida, nesse sentido, já andou metade do caminho para contrair o mal.” Néio Lucio.

Refletindo como o Amigo Espiritual, chegamos à seguinte conclusão: ou dominamos nossos pensamentos ou nossos pensamentos nos dominarão, arruinando a saúde. Deixar a mente ser penetrada pelo medo de adoecer é meio caminho andando em direção à enfermidade.

A lei é implacável: tudo aquilo que nós semeamos, haveremos de colher. Temer é dar força para o mal, é atrai-lo sem que haja necessidade de experimentá-lo. Diante de um possível acontecimento, costumamos optar pela hipótese mais trágica fantasiando nas asas do medo.

Quem vive com medo é porque aprendeu a sempre esperar o pior. Isso pode se tonar um vício, tanto quanto se vicia em bebida e cigarro.

Quase todos nós somos viciados em medo. O alcoólatra, por exemplo mesmo inconsciente dos danos que a bebida acarreta se sentirá atraído à bebida, porque o vício é como o filho faminto que criou, e que lhe pede comida toda hora. E o pai se sente compelido a saciar-lhe a fome.

O doente imaginário acostumou suas células a se alimentarem de pensamentos enfermos. Elas pedem a ele esse combustível, pois ficaram viciadas em doenças, e fatalmente um dia elas acabarão mesmo enfermando.

É hora de mudar isso. Chega de sofrer pela nossa imaginação. Precisamos nos educar mentalmente, domar nossa mente, não deixa-la solta, desocupada, mórbida.

Clareie sua casa mental com a fé e a razão, com a certeza de que o melhor sempre lhe ocorrerá. E se alguma dificuldade visitar você, saiba que tudo ocorre para o nosso bem, entendendo que a dor de hoje é processo de limpeza do lixo que se acumulou em nosso caminho.

Quer saber de uma coisa? Você está ótimo!

Fonte: Minutos com Chico Xavier, José Carlos de Lucca. Pag - 75 a 76.

- Palestra: "O Brasil na I Guerra Mundial" por Carlos Daróz

Rio de Janeiro - No dia 11/04/2018, às 14:00, no Auditório do Espaço Cultural Laguna do Centro de Estudos e Pesquisas de História Militar do Exército (CEPHiMEx), será apresentada a Palestra com o tema: "O Brasil na I Guerra Mundial" de autoria do Cel Carlos Daróz, Sócio-Titular do IGHMB - Cadeira de número 35.
O palestrante, Carlos Daróz, é Coronel de Artilharia, historiador militar, escritor, professor e pesquisador. Bacharel em Ciências Militares (AMAN), licenciado em História (UNIVERSO) e especialista em História Militar (UNIRIO). Mestre em História (UNIVERSO) e em Operações Militares (EsAO). Editor da Revista do IGHMB.

Fonte:  www.ighmb.org.br