Foto da capa

Foto da capa

- 21º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga

banner_topo

Já estão abertas as inscrições para o Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga que, em 2010, chega à sua 21ª edição. O evento acontece entre os dias 17 e 31 de julho. No total, serão oferecidos 47 cursos de instrumentos antigos e modernos e dois workshops (cravo e música vocal francesa barroca), ministrados por professores de várias partes do país e do exterior. Na programação cultural, estão mais de 30 concertos e apresentações de formações orquestrais, grupos e músicos brasileiros e estrangeiros, todos com entrada franca, em teatros e espaços públicos.

O Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga chega ao seu 21° ano. Ao longo destas duas décadas, o evento marcou a agenda musical brasileira com uma celebração da arte durante 15 dias, sempre em julho. Nesta trajetória, promoveu cerca de 800 concertos, sempre gratuitos, unindo centenas de milhares de espectadores e milhares de artistas.

Desta festa da música têm participado as mais importantes orquestras brasileiras, além de músicos e grupos destacados no exterior na interpretação historicamente correta do acervo colonial e antigo.

Com o vasto acervo produzido de CDs, livros e DVD, trazendo à luz exemplos das composições dos séculos XVII e XVIII – algumas em primeira execução contemporânea – o evento provocou profunda mudança no cenário da cultura nacional e tem dado a um público diversificado e crescente acesso a um tipo de produção que poderia ficar restrita a iniciados. Este ano, mais uma vez, a Orquestra Barroca do Festival faz o registro, com instrumentos de época, do barroco europeu e de nossa música antiga.

Em paralelo ao esforço de popularização e formação de público, o Festival investiu na pesquisa acadêmica com a realização do Encontro de Musicologia Histórica.

O encontro é o maior evento brasileiro do gênero em número de edições bienais, número de trabalhos apresentados e impressos e duração temporal. Este ano, o Pró-Música lança os Anais do 8° encontro e prepara um novo passo com a reformatação do projeto para 2011.

Nesta 21ª edição, é retomada a parceria com o Consulado Francês – Culturesfrance, com a participação de professores. Também a Faculdade de Música da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) participa do quadro de cursos com três professores.

Premiado com as mais significativas distinções da cultura brasileira, o Festival é reconhecido como bem imaterial pela cidade de Juiz de Fora (MG), onde se realiza numa promoção do Centro Cultural Pró-Música.

andregama André Gama, meu amigo e colega, participa desta 21º edição do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga. Talentoso oboísta, André Gama formou-se Bacharel em Música na especialidade Oboé pela UniRio na Classe do Prof Dr. Luís Carlos Justi, é natural de Juiz de Fora – MG. Iniciou seus estudos no Centro Cultural Pró-Música em Juiz de Fora sob a orientação do Maestro Nelson Nilo Hack. Nesta instituição, sendo líder de naipe, teve a chance de solar a frente da Orquestra de Câmara Pró-Música em várias cidades do País como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Ainda nesta Orquestra teve a oportunidade de tocar com consagrados artistas da atualidade como Artur Moreira Lima, Noel Devos, Odette Ernest Dias, José Botelho e Nelson Freire. Participou de várias gravações de CD no Festival de Música Colonial Brasileira e Música Antiga , também em CD do Grupo Redenção, e como Solista em gravação do DVD da Orquestra Ópera Gospel (RJ). Em 2005 obteve uma bolsa de estudos para Pós-Graduação em Oboé na Michigan University of Music – USA em uma audição de música de câmara na Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO), bolsa obtida em ocasião da apresentação do trio para Flauta, Oboé e Piano de Ignaz Mocheles à professora Alexandra Mascolo-David, coordenadora musical da Michigan University. Participou de Master classes com o Oboista Virtuose Thomas Indermühle (Alemanha), Arnaldo di Felicce (Italia). Na Orquestra de Câmara da Unirio, teve a oportunidade e privilégio de tocar sob a batuta de maestros renomados como: Ricardo Tacuchian, Guilherme Bernstein, Zdenek Svab, o cravista Shalev Ad El entre outros. Freqüentemente é convidado para atuar em várias orquestras em âmbito nacional e internacional . Por suas atividades musicais, André Gama recebeu da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro MOÇÃO DE APLAUSO E LOUVOR, pela eficiência revelada no desempenho de suas funções e pelos relevantes serviços prestados à população do Estado do Rio de Janeiro.

Se desejar mais informações, acesse o site do 21º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga no seguinte endereço: www.promusica.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário