Foto da capa

Foto da capa

- Centenário da Banda de Música da 3ª Divisão de Exército

BANDA-100anos Segundo a Ordem do Dia nº 41, do Comando do 7º Regimento de Infantaria (7º RI), de Santa Maria, o dia 30 de abril de 1909 foi marcado pelo início oficial das atividades da Banda, então composta por 34 músicos, sob a regência do 2º Tenente Palinércio Rezende.

Em 06 de abril de 1989, a Banda de Música foi integrada à Companhia de Comando da 3ª DE. Em 1992, passou a ocupar as novas instalações, no Campo de Instrução de Santa Maria, onde permanece até os dias atuais.

Ao longo de 100 anos, a Banda esteve presente em momentos marcantes da história da "Divisão Encouraçada". Em eventos de natureza militar, ou voltados ao público civil, proporciona concertos, retretas e apresentações diversas, atua como elemento de Comunicação Social da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), tornando-se referência na região central do Estado do Rio Grande do Sul.

Merece grande destaque, a realização do “Projeto Banda nas Escolas”, criado em parceria com a 8ª Coordenadoria Regional de Educação, em 2004. Em quase 300 apresentações em escolas das redes estadual, municipal e particular de ensino de Santa Maria e municípios vizinhos, a Banda de Música firmou-se como irradiadora de civismo, cultura e recreação, integrando os militares ao ambiente escolar, por meio da música.

Atualmente, a Banda de Música da 3ª DE é composta por 53 integrantes: 47 músicos, sendo 1 Regente (1º Tenente Músico Jorge Evandro de Moraes Cortinhas), 1 Mestre (Subtenente Músico Ildo Guerra) e 45 executantes, além de cinco tamboreiros e um motorista.

1947s

1947 - Inauguração da Ponte Uruguaiana - Paso de los Libres

1958%20003PL

1961 - Desfile da Legalidade, em Santa Maria

1990%20352

1990 - Sinfonia Encouraçada

Banda5-Ione

2008 - Projeto Banda nas Escolas

Banda7-Ione

2008 - Projeto Banda nas Escolas

Fotos: ST Sirio e acervo pessoal do Sgt Passos

Fonte: www.cms.eb.mil.br/

- Banda de Música da 3ª DE e Projeto Corujinha

Santa Maria (RS) - A Banda de Música da 3ª Divisão de Exército (3ª DE) participou, no dia 23 de abril, de uma apresentação conjunta dos Projetos "Banda nas Escolas" e "Corujinha", no Clube de Atiradores Esportivo, para mais de 900 alunos de escolas de Santa Maria. O Projeto Banda nas Escolas, criado em 2004, numa parceria da 3ª DE e da 8ª Coordenadoria Regional de Educação, visa a levar civismo, cultura e recreação às escolas da região central do Estado e integrar o Exército e  a comunidade escolar, por meio da música O Projeto Corujinha, criado pela Fundação Eny e apoiado pela 3ª DE, tem por finalidade despertar o gosto pela leitura entre os alunos das escolas de Santa Maria, por meio de apresentação teatral e distribuição de livros e revistas infantis.

   

Fotos: Ten Elisa

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2618&Itemid=2

- Concerto de Bach - Camerata de Violões

jsbac O Concerto de Brandemburgo, de J.S. Bach, é um dos destaques da apresentação de estréia de temporada da Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí – grupo vinculado ao Governo de São Paulo e à Secretaria de Estado da Cultura. Sob coordenação de Edson Lopes, o grupo apresenta-se no próximo dia 30 de abril – uma quinta-feira -, no teatro “Procópio Ferreira”.

Na reestréia da Camerata de Violões, agora como grupo estável do Conservatório de Tatuí e após o processo de contratação de músicos oficialmente, o repertório será variado. O principal destaque será a apresentação do Concerto de Brandemburgo, de J.S. Bach, parte integrante de um conjunto de Seis Concertos para vários Instrumentos, composto por Bach após sua viagem para Hamburgo, em 1721, e dedicados ao margrave de Brandemburgo, Christian Ludwig. “É uma peça de alta dificuldade técnica e, até hoje, ouvi uma única gravação de um grupo de violões, da Alemanha”, comentou Edson Lopes.

O programa da noite ainda conta com obras de L. Call (Leichtes Trio), F. Gragnani (Trio), A. C. Gomes (Sonata em Ré), A. Piazzolla (Escolaso – Tango), I. Albeniz (Suite España) e E. Granados (Valses Poéticos). “Também merece destaque a obra de Manuel de Falla, Vida Breve, que encerra o programa”, disse Lopes. “A Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí tem um grande potencial e deve desenvolver projetos diferenciados neste ano”, acrescentou.

A Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí, um dos 11 grupos artístico-pedagógicos da instituição, é coordenada por Edson Lopes e formada por Adriano Paes, Ângela Muner, Dagma Eid, Patrícia Nogueira e Ricardo Grion. Alunos-bolsistas de nível avançado também participam do grupo, sendo eles: Elissom Barbosa, Fabiano Correa, Francisco Vidal Lemes e Vitor Hugo Pedroso.

Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí (Camerata Octopus) - No ano de 1996 os integrantes da Orquestra de Violões Corda Toda, formada por alunos e professores do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” decidiram criar um grupo de alta representatividade na instituição. Após seleção interna foi criado o Octeto de Violões do Conservatório de Tatuí.

No ano seguinte, sob coordenação da professora Márcia Patrícia Braga, o grupo passou a se chamar Camerata Octopus de Violão – nome sugerido pelo percussionista Eduardo Gianesella. Sob coordenação de Márcia Patrícia Braga, a Camerata Octopus desenvolveu o projeto “Garoto”, com objetivos de difundir obras do importante compositor brasileiro.

No ano de 1998, já sob coordenação de Edson Lopes, a Camerata Octopus passou a desenvolver projeto de pesquisa e divulgação de compositores brasileiros, buscando a promoção da diversidade de obras escritas para o universo violonístico. Tal projeto culminou, no ano 2000, com o lançamento do CD Vê Se Te Agrada. Para promover o CD, o grupo apresentou-se em diferentes pontos do Estado de São Paulo e em significativos eventos, entre eles a Semana Guiomar Novaes, Festival de Inverno de Campos do Jordão, Rádio MEC no Rio de Janeiro e Sala São Paulo.

A partir do ano de 2001, a Camerata Octopus passou a receber solistas, desenvolvendo repertório – especialmente adaptado, transcrito ou arranjado por Edson Lopes – a fim de enriquecer o grupo. Nesse sentido, o grupo apresentou-se com violoncelistas, coro, clarinete... A iniciativa foi registrada, em 2006, no CD Convida, no qual o violão figurava ao lado de outros instrumentos em grandes clássicos da literatura musical e seus compositores, como o mestre dos mestres J.S. Bach, G. Rossini, A. Vivaldi, C. Saen Sain, Pachebel, Dvorak, sem deixar de fora a brasilidade de H. Villa-Lobos, M. Guerra Peixe, E. Villani-Côrtes, E. Lopes e Zequinha de Abreu, com seu imortal Tico-Tico no Fubá.

No segundo semestre do ano de 2008, a Camerata Octopus foi oficializada como grupo estável artístico-pedagógico do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”. Em 2009 a partir da contratação oficial de músicos, o grupo passou a ser denominado Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí, resgatando e valorizando o nome de sua instituição de origem, tendo Edson Lopes como coordenador.

A representante máxima da área de violão erudito do Conservatório de Tatuí – uma das maiores e mais concorrida da instituição – tem, entre seus objetivos, integrar alunos de nível avançado em trabalhos camerísticos desenvolvidos por profissionais. Esta é, aliás, a filosofia do grupo, mantida desde sua fundação. Nesse sentido, os violonistas Ricardo Grion, Patrícia Nogueira, Adriano Paes e Dagma Eid - todos formados pela instituição – integram a Camerata do Conservatório de Tatuí desde sua fundação, ao lado da violonista Ângela Muner. Quatro alunos-bolsistas de nível avançado também participam das atividades da Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí.

Edson Lopes - Violonista formado no Brasil pelo Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, em Tatuí, e, em Londres, pela Trinity College of Music. Durante seus estudos participou de vários concursos de violão, obtendo em todos o 1º lugar. Dentre eles, destacam-se o II Concurso de Jovens Instrumentistas, promovido pela Rede Globo de Televisão no programa “Concertos para a Juventude”, e o I Concurso Nacional de Violão, promovido pelo Banco do Brasil.

Em 1979 freqüentou o XXII Curso de “Musica en Compostela” - Espanha, sob orientação do professor José Tomás (assistente de Andrés Segovia), no qual foi considerado o “aluno mais destacado”, o que lhe valeu como prêmio uma nova bolsa de estudos para o ano seguinte.

Já se apresentou em diversas cidades do Brasil como solista, em duo, trio e com orquestra. Como integrante do Brazilian Guitar Quartet realizou concertos nas cidades de Houston, Dallas, Austin, Seattle, Pittsburgh, Albuquerque, Hollywood, Indianápolis, Washington, Nova Iorque, entre outras. Em 2005 o quarteto participou do “33º Arts Festival” de Hong Kong, do “VII Festival Internacional” de Guitarra em Monterrey (México) e, em 2006, do “V International Guitar Festival” na cidade de Aarhus, Dinamarca.

Atualmente, integrante o Quarteto Vivace, com inédita formação de dois violões, flauta e percussão.

Entre as inúmeras gravações já realizadas destacam-se “Jesus, alegria dos homens” (solo), “Conscertando Choro” (em duo com Augusto Arruda), “Prelúdio” e “Violão & Louvor” (duo com Roberto Colchiesqui), “Vê se te Agrada” e “Octopus Convida” (como coordenador da Octopus - Camerata de Violões), “Ibéria” (Brazilian Guitar Quartet) e “Quarteto Vivace Brasil”.

Como professor do Conservatório de Tatuí ministra aulas para os alunos mais adiantados do curso de violão clássico, como copista e como arranjador, além de ser coordenador da Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí.

Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí

Data: 30 de abril.2009 – Quinta-feira - Horário: 20h30

Local:  Teatro Procópio Ferreira, Rua São Bento, 415

Ingressos: R$ 10,00 e  R$ 5,00 para idosos, estudantes e aposentados.

www.conservatoriodetatui.org.br / 15 32514573

Enviado por Deise Juliana

- Palestra para o Grupo Escoteiro do Ar Augusto Severo

2009 04 26 020a Aconteceu na manhã de domingo (26/04/2009) Palestra para a Alcatéia e para o Grupo Fenix, integrantes do Grupo Escoteiro do Ar Augusto Severo – Santa Maria-RS

Dois temas foram abordados: PREPARANDO A ADOLESCÊNCIA SEM DROGAS para os lobinhos e IDENTIFICANDO OS PERIGOS DAS DROGAS para os escoteiros.

Veja as fotos aqui.

- Banda de Música da 3ª DE realiza retreta

Santa Maria (RS) - A Banda de Música da 3ª Divisão de Exército (3ª DE) realizou, no dia 25 de abril, retreta alusiva ao seu centenário de criação. A atividade deu-se na Praça Saldanha Marinho e contou com a participação especial do cantor nativista João Chagas Leite e do Coral da Associação dos Professores Universitários de Santa Maria.
A Banda de Música da 3ª DE iniciou as atividades em 30 de abril de 1909, ocasião em que fazia parte do 7º Regimento de Infantaria. Desde 1982, os músicos integram o efetivo da Companhia de Comando da 3ª DE.

3DE_bandaretreta    3DE_bandaretreta1

3DE_bandaretreta2    3DE_bandaretreta3

3DE_bandaretreta4

Fotos: Sd Quadros

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2596&Itemid=2

- Banda de Música da 3ª DE recebe homenagem

Santa Maria (RS) - A Banda de Música da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), que, no dia 30 de abril, completará 100 anos de atividades, foi homenageada no dia 27 de abril por alunos integrantes das bandas marciais das Escolas Estaduais Coronel Pilar e Antônio Xavier da Rocha.
Após a apresentação do Projeto "Banda nas Escolas", 34 alunos representaram os componentes da Banda de Música do 7º Regimento de Infantaria do ano de 1909 e realizaram apresentação especial em homenagem aos músicos militares. A atividade foi encerrada ao som da música "Amigos para Sempre", executada pelos integrantes das três bandas.

3DE_bandahomenagem   3DE_bandahomenagem1 

3DE_bandahomenagem2    3DE_bandahomenagem4

3DE_bandahomenagem3

Fotos: ST Sirio

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2595&Itemid=2

- O fumo em lugares fechados

fumaAgora que as paixões acalmaram, volto à proibição do fumo em ambientes fechados, aprovada pela Assembléia Legislativa de São Paulo. Incrível como esse tema ainda gera discussões acaloradas. Como é possível considerar a proibição de fumar nos lugares em que outras pessoas respiram uma afronta à liberdade individual?
As evidências científicas de que o fumante passivo também fuma são tantas e tão contundentes que os defensores do direito de encher de fumaça restaurantes e  demais espaços públicos só podem fazê-lo por duas razões: ignorância ou interesse financeiro. Sinceramente, não consigo imaginar terceira alternativa.
Vamos começar pela ignorância. Num país de baixos níveis de e escolaridade como o nosso, nem todos têm acesso a conhecimentos básicos.
A fumaça expelida dos pulmões fumantes contém, em média, um sétimo das substâncias voláteis e particuladas do total inalado. Já aquela liberada a partir da ponta acesa, contém substâncias tóxicas em concentrações bem maiores: três vezes mais nicotina, três a oito vezes mais monóxido de carbono, 47 vezes mais amônia, quatro vezes mais benzopireno e 52 vezes mais DNPB (estes dois, cancerígenos potentes).
Por serem de tamanho menor, as partículas que se desprendem da ponta acesa, produzidas durante 96% do tempo em que um cigarro é consumido, penetram com mais facilidade nos alvéolos pulmonares.
Depois de uma manhã de trabalho num escritório em que várias pessoas fumam, a concentração de nicotina no sangue de um abstêmio pode atingir os níveis de quem tivesse fumado três a cinco cigarros. Empregados de bares e restaurantes que passam seis horas em ambientes carregados de fumaça, chegam a ter concentrações sanguíneas de nicotina equivalentes a de quem fumou cinco ou mais cigarros.
Mulheres gestantes expostas à poluição do fumo em casa ou no trabalho apresentam nicotina não apenas na corrente sanguínea, mas no líquido amniótico e no cordão umbilical do bebê.
A nicotina inalada pelo fumante passivo, associada ao monóxido de carbono, provoca lesões nas paredes internas das coronárias, redução do fluxo de sangue e do aporte de oxigênio para o músculo cardíaco, facilitando a formação de placas de ateroma e a ocorrência de infartos.
Um estudo feito por um grupo da Universidade Harvard entre 32.046 mulheres que nunca fumaram, ao contrário de seus maridos, mostrou que a incidência de doença coronariana entre elas atingiu quase o dobro daquela encontrada entre mulheres não expostas.
Pesquisa da Universidade Yale, nos Estados Unidos, com 10 milhões de mulheres de maridos fumantes revelou que a i incidência de câncer de pulmão foi o dobro da esperada entre não fumantes.
Há poucos meses, nesta coluna citei um estudo recém publicado pela Universidade de Glasgow para avaliar o impacto da lei que proibiu o fumo em bares e restaurantes na incidência de ataques cardíacos.
Nos dez meses que antecederam a vigência da lei foram internados nos hospitais de Glasgow 3.235 pacientes com quadros coronarianos agudos. Nos dez meses seguintes à proibição houve 551 casos a menos. Houve queda em todos os grupos: 14% nos fumantes, 19% nos ex-fumantes e 21% nos não fumantes, a diminuição mais acentuada.
Para não abusar de sua paciência, leitor, serei breve: os dados são inequívocos, os fumantes passivos estão sujeitos a sofrer dos mesmos males que afligem os ativos.
Agora, vamos ao interesse pessoal dos que entendem que proibir a poluição ambiental causada pelo fumo é uma interferência do Estado na liberdade individual.
Se ainda não foi in ventado um método de exaustão capaz de impedir que a fumaça se dissemine pelo ambiente inteiro, esses senhores defendem o indefensável. Liberdade para, por meio de uma ação individual, causar mal à coletividade? Não sejamos ridículos.
Os sindicatos dos empregados de bares e restaurantes que sempre se levantaram contra a proibição alegando risco de desemprego (fato que não ocorreu em nenhuma cidade do mundo), que medidas tomaram até hoje para proteger seus associados da poluição ambiental em que trabalham? Alguma vez lutaram para que eles recebessem adicional de insalubridade? Para que tivessem um plano de saúde decente?
Não é função do Estado proteger o cidadão do mal que ele causa a si mesmo. Mas é dever, sim, defendê-lo do mal que terceiros possam fazer contra ele.
Por Dráuzio Varela (Folha SP, 25 Abr 09).  Enviado por T.Moreira

- CURSO DE ATENDIMENTO PRÉ HOSPITALAR (SOCORRISTA)

ecologo A Eco Adventure Cursos e Treinamentos completa 4 anos de muito trabalho e sabedoria e convida você para o seu aniversario!!
De Vida a Vida, seja um SOCORRISTA
CURSO DE ATENDIMENTO PRÉ HOSPITALAR - (SOCORRISTA)
Cidade: Santa Maria-RS
Local: SEST SENAT Rua Cidade de Treinta y Tres nº59
Bairro Nossa Senhora Medianeira
DIAS: 05, 06 e 07 de junho de 2009
Certificação: 40h/a
UNICA EMPRESA LEGALIZADA NO (COREN/RS)
Inscrições: Pelo fone 55 9996-8205 ou no site www.ecoadventuresm.com.br 
Investimento: SOMENTE R$100,00 avista (Valor promocional de aniversário)
OBS: Aulas Teóricas e Práticas com atendimento a um simulado.

- Banda de Música da 3ª DE no Lar das Vovozinhas

Santa Maria (RS) - A Banda de Música da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), realizou, em 16 de abril, apresentação especial no Lar das Vovozinhas. A atividade, inserida nas comemorações do centenário da banda de música, levou descontração a quase 200 internas da instituição beneficente.

SONY DSC                         SONY DSC

SONY DSC                         SONY DSC

  Fotos: ST Sirio   

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2577&Itemid=2

- Código do Radioamador


PRIMEIRO: O radioamador é atencioso e ponderado... Conscientemente ele jamais usará sua estação para prejudicar a atividade dos demais colegas ou de alguma forma que possa diminuir-lhes a satisfação em operar.

SEGUNDO: O radioamador é leal... Ele oferecerá sua lealdade, encorajamento e apoio a seus companheiros, ao seu rádio clube local e à sua Liga Nacional, através da qual o Radioamadorismo é representado.

TERCEIRO: O radioamador é progressista... Ele manterá sua estação no nível do conhecimento científico, conservando-a bem instalada e eficiente. Sua prática operacional deverá ficar acima de qualquer censura.

QUARTO: O radioamador é amistoso... Transmitir lenta e pacientemente, quando solicitado; aconselhar amigavelmente e orientar o principiante; prestar gentil assistência e colaboração; considerar e cooperar com o interesse alheio - estas são as marcas do espírito radioamadorístico.

QUINTO: O radioamador é equilibrado... O rádio é seu hobby. Ele nunca permitirá que o seu passatempo interfira em quaisquer de seus deveres e obrigações domésticas, profissionais, escolares ou que tenha para com a sua comunidade.

SEXTO: O radioamador é patriótico... A sua estação e o seu conhecimento estarão sempre disponíveis e a serviço do seu país e de sua comunidade.

Este Código foi concebido em 1928 pelo radioamador norte-americano Paul M. SEGAL, W9 EEA e adotado como oficial, em escala mundial, por votação unânime na X Assembléia Geral da IARU - REGIÃO 2, realizada em 1989, em Orlando, Flórida, EUA. Esta tradução foi realizada pelo nosso colega radioamador Ariosto Rodrigues de Souza, o ARI, PT2 BW quando Vice-Presidente da LABRE. Este artigo foi extraído do HANDBOOK DO RADIOAMADOR, de autoria do radioamador Ivan Thomas Halász, PY2 AH. Esta obra recomendamos que todo colega a possua e a leia, pois é a verdadeira bíblia dos RADIOAMADORES.

- 3º BPE forma novos Batedores

Porto Alegre (RS) – Foi realizada, no dia 9 de abril, a formatura de conclusão do Estágio de Motociclistas Militares para Cabos e Soldados do 3º Batalhão de Polícia do Exército (3º BPE), da 5ª Companhia de Polícia do Exército, do Departamento da Polícia Rodoviário Federal e 1º Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. 

 

O estágio foi realizado no período de 2 de março a 9 de abril com a realização de diversas escoltas de comboios pelas ruas de Porto Alegre.
O evento teve a presença do Subcomandante do 3º Batalhão de Polícia do Exército, Major Renê Brevilata Padilha, do Comandante do 1º Batalhão de Operações Especiais, Tenente-coronel Silanus Serenito de Oliveira Mello, do Inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Alfonso Willembring Junior, além dos familiares e amigos que assistiram à cerimônia militar realizada no pátio de formatura Marechal Zenóbio da Costa.

   

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2526&Itemid=2

- Estiagem e ar muito seco favorecem incêndios

- 3ª DE desenvolve Projeto “Nossa Bandeira – Escola de Civismo"

Santa Maria (RS) - O Comandante da 3ª Divisão de Exército (3ª DE), General Araken de Albuquerque, realizou a entrega, em 13 de abril, de um kit cívico do Projeto "Nossa Bandeira - Escola de Civismo" à diretora da Escola Estadual de Ensino Fundamental Santa Marta, Diocélia Teixeira Rezende, em atividade inserida nas comemorações da Semana do Exército e do Centenário da letra do Hino Nacional Brasileiro.
A esse ato, seguiu-se a apresentação do Projeto "Banda nas Escolas", que teve início com a execução do Hino Nacional, entoado pelos alunos da supracitada escola e pelos alunos da Escola Municipal de Educação Infantil Sinos de Belém. A atividade foi encerrada com festa, integrando alunos e militares, ao som da Banda de Música da 3ª DE.

SONY DSC                         SONY DSC

SONY DSC                         SONY DSC

SONY DSC

Fotos: ST Sirio

Fonte: http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2531&Itemid=2

- Dia do Choro com o melhor do gênero brasileiro


Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí festeja aniversário de Pixinguinha em concerto exclusivo

No dia dedicado ao choro, o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” – instituição vinculada ao Governo de São Paulo e Secretaria de Estado da Cultura – recebe apresentação especial. Na quinta-feira, 23, às 20h30, o Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí, sob coordenação de Alexandre Bauab Junior, faz apresentação de estreia da temporada em 2009.

A primeira apresentação do ano do Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí (Grupo de Choro Quebrando Galho) terá repertório especialmente arranjado por Alexandre Bauab Junior. O concerto contará com obras de Irineu de Almeida (“De Onde Não Se Espera, Daí Vem”), Mário Álvares da Conceição (“Despedida 1905”), Cícero Telles de Moraes (“Flor de Liz”), Anacleto de Medeiros (“Juracy”), Lulu Cavaquinho (“Madressilva”), Cândido Pereira da Silva (“Não Escapa”), Albertino Pimentel (“Neréa”), Henrique Alves de Mesquita (“Quebra-Quebra, Minha Gente”), Quincas Laranjeiras (“Sabará”) Henrique Nepomuceno Dourado (“Santinha”), Felisberto Marques (“Suspiros D´Alma”) e Juca Kalut (“Extremosa”).

O início da temporada do Grupo do Choro do Conservatório de Tatuí será no mesmo dia da celebração máxima do gênero musical no país. O Dia Nacional do Choro foi escolhido para coincidir com o aniversário do maior nome brasileiro entre os chorões, Alfredo da Rocha Viana Filho, o Pixinguinha (1897-1973). Dele, serão apresentadas duas obras na mesma noite de estreia: “Sensível” e a sugestiva “Teu Aniversário”.

O Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí é formado por Alexandre Bauab Junior (violão sete cordas), Altino Toledo (bandolim), Marcelo Cândido (cavaquinho) e Rodrigo Moura (pandeiro), além de Anderson Luiz da Silva (clarinete) e Wilder Ivan Paredes Gonzáles (trombone), alunos-bolsistas de nível avançado.

Anote: Quinta-feira – 23 de abril Horário: 20h30
Local: Teatro Procópio Ferreira Rua São Bento, 415 - Tatuí-SP
Ingressos: R$ 10 (R$ 5 idosos, estudantes e aposentados), à venda a partir das 18h30 do dia da apresentação
Capacidade: 400 lugares
Acesso a portadores de deficiência física

Programa: “De Onde Não Se Espera, Daí Vem” (Irineu de Almeida), “Despedida 1905” (Mário Álvares da Conceição), “Flor de Liz” (Cícero Telles de Moraes), “Juracy” (Anacleto de Medeiros), “Madressilva” (Lulu Cavaquinho), “Não Escapa” (Cândido Pereira da Silva), “Neréa” (Albertino Pimentel), “Quebra-Quebra, Minha Gente” (Henrique Alves de Mesquita), “Sabará” (Quincas Laranjeiras), “Santinha” (Henrique Nepomuceno Dourado), “Suspiros D´Alma” (Felisberto Marques), “Extremosa” (Juca Kalut), “Sensível” (Pixinguinha) e “Teu Aniversário” (Pixinguinha.

Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí(Quebrando Galho)

Ao pensar o choro como uma maneira de tocar antes de encará-lo como um gênero definido, o bandolinista Altino Toledo e o violonista Alexandre Bauab Junior fundaram, em março de 1993, o Grupo de Choro Quebrando Galho. O grupo surgiu nas dependências do Conservatório de Tatuí a partir de uma idéia simples: a dedicação exclusiva ao choro por meio de estudos, pesquisas e divulgação do gênero.
Desde sua origem, o ineditismo do Quebrando Galho esteve sempre focado em seu caráter pedagógico. Além de apresentações públicas, o grupo atua na formação de novos músicos e novos públicos, primando por recitais beneficentes, sem perder a qualidade.
A partir disso, o Quebrando Galho gravou seu primeiro CD em 1999, no mesmo ano em que passou a ser reconhecido como um grupo estável do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”. A gravação ocorreu em tempo recorde – seis horas – com objetivo de passar ao ouvinte uma audição fiel de uma “roda de choro”, com seus erros e acertos, livres dos truques comuns nas gravações. O Quebrando Galho tem, ainda, participações nos CDs “Horn Brasil” (do trompista Adalto Soares) e “Soleil” (da cantora francesa Clementine, artista da Sony Music do Japão). O mesmo Quebrando Galho assina a trilha do longa-metragem “Divino”, sobre o jogador de futebol Ademir da Guia.
Com carreira intensa, o grupo se apresentou em diferentes pontos do Estado de São Paulo, incluindo o Teatro Claudio Santoro (Campos de Jordão), Sesc Paulista (no programa “Brasil Instrumental” da TV Sesc-Senac), palco da TV Cultura (dentro do programa “Jazz & Companhia”) e Memorial da América Latina (São Paulo). Dentre as inúmeras apresentações, destaca-se a realizada em julho de 2004, no Festival de Inverno de Campos do Jordão, quando o grupo executou, acompanhado pela Orquestra Sinfônica Paulista, o concerto “Retratos”, de Radamés Gnattali, para Bandolim e Orquestra.
Ao longo de sua carreira, o Quebrando Galho também acompanhou nomes como os de Altamiro Carrilho e Naylor "Proveta".
A criação do grupo, seis anos após sua fundação, foi decisiva para que o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” se tornasse a primeira escola de música brasileira – mantida por um Governo Estadual – a incluir o gênero choro em seu currículo, como matéria pedagógica.
Em março de 2009, a partir da contratação formal de seus integrantes, o Quebrando Galho passou a ser denominado Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí, resgatando e valorizando o nome de sua instituição de origem, tendo como coordenador Alexandre Bauab Junior (violão sete cordas). Também integram o grupo Altino Toledo (bandolim), Marcelo Cândido (cavaquinho) e Rodrigo Moura (pandeiro). O grupo é completado por alunos de nível avançado dos cursos de flauta, clarinete e trombone.

Alexandre Bauab Junior
Formado em violão erudito no Conservatório de Tatuí, onde atualmente ministra aulas de harmonia e violão dentro do curso de MPB & Jazz. Já participou de várias formações instrumentais, de big bands a Orquestra Sinfônica, atuando como músico e solista. Como instrumentista, teve a oportunidade de acompanhar vários nomes da MPB como Moraes Moreira, Edu Lobo, Nivaldo Ornelas, Jair Rodrigues, Fátima Guedes, Leila Pinheiros e outros. Já participou de várias gravações lançadas no Brasil e no exterior. Coordena o Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí.
O Conservatório
Fundado em 11 de agosto de 1954, o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí representa uma das mais sérias e bem sucedidas ações no setor cultural no Estado de São Paulo. A excelência de seu ensino tem reconhecimento internacional, tanto que a escola localizada a 130km da Capital concentra estudantes de São Paulo, de outros 20 Estados brasileiros e, ainda, de países da América Latina e Estados Unidos. Além de oferecer excelência em ensino, o Conservatório de Tatuí notabiliza-se ao concentrar diferentes cursos instrumentais, de canto, luteria e artes cênicas. Todos são oferecidos de forma gratuita.

Mais informações à imprensa:
Deise Juliana
Tel. (15) 32514573 – ramal 220 / (15) 96131922
comunica@conservatoriodetatui.org.br

- Agradecer é dar o melhor


A mais sincera forma de gratidão é fazer bom uso das coisas com que fomos abençoados. Como podemos não ser gratos pelo alimento em nossas mesas, enquanto tantas pessoas estão famintas? Isso não seria egoísmo?

Como podemos não ser gratos por ter um bom emprego, enquanto tantas pessoas procuram trabalho desesperadamente?

Podemos ser sinceramente gratos aproveitando da melhor maneira as oportunidades que a comida, o trabalho e todas as outras bênçãos nos dão.

De todos os tesouros em nossa vida, um dos mais preciosos é a possibilidade de fazer a diferença na vida dos outros. Quanto mais abençoados somos, maior é a nossa capacidade de fazer a diferença. A verdadeira abundância nos compele a dar o melhor de nós mesmos.

Abrace com entusiasmo as maravilhosas possibilidades que derivam das bênçãos na sua vida.

- Banda de Música da 3ª DE promove “Sexta Musical”

Santa Maria (RS) - A Banda de Música da 3ª Divisão de Exército (3ª DE) promoveu, no dia 5 de abril, a primeira edição da "Sexta Musical", atividade inserida nas comemorações do centenário da Banda de Música da 3ª DE, que ocorrerá no dia 30 de abril. 3DE_bandasextamusical2FRENTE

Participaram do evento 45 crianças da Creche Estação dos Ventos, as quais interagiram intensamente com os militares e seus variados instrumentos musicais. Em seguida participaram de recreação em brinquedos cedidos pelo SESC-RS e saborearam um lanche oferecido pela Companhia de Comando da 3ª DE.

 

3DE_bandasextamusical    3DE_bandasextamusical1

3DE_bandasextamusical3    3DE_bandasextamusical4

Fotos: ST Sirio

   Fonte:  http://www.cms.eb.mil.br/index.php?option=com_content&task=view&id=2471&Itemid=2

- Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí estreia nova formação

A Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí - vinculada ao Governo de São Paulo e Secretaria de Estado da Cultura - estreia dia 9 de abril, às 20h30, sua nova formação no teatro Procópio Ferreira. O concerto terá regência de Dario Sotelo e contará, no programa, com obras de Alfred Reed, Edmundo Villani-Côrtes, Martin Ellerby e Victoriano Valencia Rincon. O programa de estreia escolhido pelo maestro Dario Sotelo privilegia as atividades da Banda e todas as possibilidades de sopro sinfônico, passando pelas identidades brasileira, latino-americana e internacional. "O concerto tem espírito festivo e terá duas primeiras audições brasileiras", comentou Sotelo. Este programa é composto por: Terceira Suíte para Banda, de Alfred Reed; Braseijo, de Edmundo Villani-Côrtes; Suíte Colombiana nº 2, de Victoriano Valencia Rincon; e Symphony for Winds, de Martin Ellerby – as duas últimas, em primeiras apresentações em solo nacional.
Enquanto a Terceira Suíte para Banda é um clássico do repertório de sopro e Braseijo foi resgatada especialmente pelo grupo sinfônico do Conservatório de Tatuí - inicialmente foi escrita para a Banda Sinfônica de Buenos Aires, mas nunca foi apresentada, as demais obras são estreias. A Suíte Colombiana é uma obra baseada na música colombiana tradicional, que utiliza gêneros e imagens do próprio país. São melodias andinas, porém com uma visão sobre música colombiana totalmente sinfônica, que conta com participação em solos dos naipes principais", disse o maestro Sotelo. "Por outro lado, a obra de Ellerby traz idéias contrastantes dos pontos de vista formal e musical. Ele inicia com uma forma tradicional em sinfonias, depois explora melodias e cores sonoras do grupo para, no terceiro movimento, oferecer um mini-concerto para banda com destaque para todos os grandes naipes em solos que exigem altas demandas técnicas e musicais", finalizou Sotelo.
Banda Sinfônica (Orquestra de Sopros Brasileira) A Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí é um dos dois primeiros grupos estáveis criados no Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos" uma das mais respeitadas instituições culturais do país. A banda surgiu no ano de 1992, a partir de um processo de semi-profissionalização instituído pelo então diretor Antonio Carlos Neves Campos e pelo maestro Dario Sotelo. Até o ano de 1996, a Orquestra de Sopros do Conservatório de Tatuí - seu nome original - era a única oportunidade de alunos de níveis avançados interagirem com músicos já profissionais, em apresentações oficiais, propiciando uma troca de experiências entre seus componentes.

Primando por repertório nacional, a Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí conta com vida fonográfica ativa. O primeiro CD foi gravado em 1995, denominado “Compositores Brasileiros”, marcando o trabalho de documentação de diversos gêneros. Já em 1997, gravou Pró Banda – Compositores Brasileiros. No ano 2000, quando adotou o nome de Orquestra de Sopros Brasileira, gravou o CD Arranjadores Brasileiros. Em 2001, foram gravados dois CDs de demonstração para a editora holandesa Gobelin. Já em 2002, efetuou a gravação do CD Retratos, enquanto que em 2003 gravou Pró Banda e um novo CD-demo, desta vez para uma editora japonesa. Também foram gravados Do Coração e da Alma - Obras de Hudson Nogueira (2004) e 15 Anos (2006).Em 2007, a orquestra realizou a primeira gravação em DVD na história do Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos". O DVD 15 Anos traz documentário sobre o grupo, além de repertório que inclui Astor Piazzolla, Tom Jobim e Zequinha de Abreu.A Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí atua fortemente na execução de obras encomendadas a arranjadores e compositores brasileiros, tornando-se fundamental no incentivo de produção de obras originais para bandas. Entre as mais importantes estão Sinfonia nº 1, de Edmundo Villani-Côrtes; Sinfonia Anõia, de Sergio Vasconcellos-Corrêa - que mereceu prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de melhor obra sinfônica de 1999 -, Retratos do Brasil, de Hudson Nogueira; Portrait e Concerto para Banda, de Edson Beltrami, entre muitas outras. Seu repertório conta com mais de 90 obras originais especialmente escritas para o grupo. Entre elas, há 72 estréias brasileiras de repertório internacional que, hoje, são referências mundiais.Ao longo de sua existência, a Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí recebeu dezenas de regentes destacados da cena musical como convidados especiais. Outra característica importante do grupo é seu esforço em formar novas platéias por meio de concertos didáticos. Ao longo dos últimos anos, a banda realiza ações didáticas com objetivos de educar e envolver crianças e adolescentes no universo da música erudita. Nesse sentido, destacam-se projetos especiais como Guia para Banda, Villa-Lobos encontra Guarnieri e A Vinda da Família Real ao Brasil.Desde sua fundação, a Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí – nome adotado em 2009 visando a valorização de sua origem e identificação formal do grupo - tem como regente titular o maestro Dario Sotelo.

O ConservatórioFundado em 11 de agosto de 1954, o Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos" de Tatuí representa uma das mais sérias e bem sucedidas ações no setor cultural no Estado de São Paulo. A excelência de seu ensino tem reconhecimento internacional, tanto que a escola localizada a 130km da Capital concentra estudantes de São Paulo, de outros 20 Estados brasileiros e, ainda, de países da América Latina e Estados Unidos. Além de oferecer excelência em ensino, o Conservatório de Tatuí notabiliza-se ao concentrar diferentes cursos instrumentais, de canto, luteria e artes cênicas. Todos são oferecidos de forma gratuita.SERVIÇOBanda Sinfônica do Conservatório de TatuíDario Sotelo, regente09.abril - quinta-feira - 20h30Programa: Alfred Reed (Terceira Suíte para Banda), Victoriano Valencia Rincon (Suite Colombiana no. 2), Edmundo Villani-Côrtes (Braseijo) e Martin Ellerby (Symphony for Winds)

Teatro Procópio FerreiraRua São Bento, 415 - Centro - Tatuí 400 (lugares / acesso a portadores de deficiênciaIngressos: R$ 10 (R$ 5 idosos, estudantes e aposentados)

Enviado por: Deise JulianaTel. (15) 32514573 - ramal 220 / (15) 96131922 comunica@conservatoriodetatui.org.br

- SEU QUARTO MOSTRA QUEM VOCÊ É?

Este teste de psicologia é bem diferente e divertido.
Para o psicólogo Samuel Gosling, ele revela traços de sua personalidade pela sua forma de arrumação de um quarto.

Para iniciar basta clicar na figura ao lado e comece clicando sobre o quadro pendurado na parede seguindo as instruções!
Bom teste.

- Radioamadores serão capacitados para atuarem em situações de desastres

Fonte: Rondonia ao vivo - Ariquemes/RO.
A Comissão Municipal de Defesa Civil de Ariquemes, através do ministério de Integração Nacional, estará realizando em Ariquemes, nos dias 3 e 4 de abril, o Curso Técnico de Capacitação em Emergência para Radioamador – CAER. O objetivo do curso é esclarecer e incentivar a CEDEC e as COMDEC’s a implantarem o serviço da Rede Nacional de Emergência de Radioamadores - RENER, disponível na área de comunicação, minimizando o tempo de resposta por ocasião de desastre. O Curso será dividido em duas etapas onde no dia 03 contará com a participação de técnicos estaduais, municipais e voluntários sendo informado a respeito da CAER, e explicando detalhadamente a Portaria Ministerial nº 447, de 28 de junho de 2002, que trata sobre a norma de ativação e execução da RENER. No dia 04 o curso será ministrado para os radioamadores, apresentando o projeto, discutindo e tirando dúvidas sobre a legislação pertinente. Os radioamadores serão orientados sobre a melhor maneira de agir quando estiverem atuando em uma situação de desastre.
No mês de julho de 2009 o Curso Técnico de Capacitação em Emergência para Radioamador – CAER esta sendo realizado em Santa Maria - RS
Data (provavel) 17 e 18/07/2009
Local: SEST SENATSANTA MARIA - RS
Maiores Informações:Tel. 55 30274510Cel. 55 91810916 www.usra.com.br

- Comissão geral reivindica fundo para prevenir desastres naturais

Os participantes da comissão geral que discutiu a estrutura da defesa civil no País, realizada nesta terça-feira, 31, na Câmara, defenderam a criação de um fundo nacional para apoiar a prevenção de desastres naturais no País. Eles também cobraram ações de formação técnica de voluntários e de estruturação de uma carreira de agente da defesa civil nos três níveis da Federação. Além disso, os participantes sugeriram a obrigatoriedade da defesa civil em todos os estados e municípios; e o apoio a um centro nacional de referência em climatologia e prevenção a desastres. Segundo o deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC), autor do requerimento para a realização da comissão geral, também é necessário combater a burocracia no atendimento a essas calamidades. Durante o evento, foi lançada a Frente Parlamentar Mista da Defesa Civil, que será coordenada pelo deputado Acélio Casagrande (PMDB-SC), e é composta até agora por 171 deputados e 11 senadores. A decisão de realizar uma comissão geral sobre o tema foi motivada pela conclusão dos deputados da Comissão Externa de Acompanhamento da Tragédia Climática em Santa Catarina de que a falta de estrutura adequada de defesa civil na maioria dos municípios brasileiros é um dos problemas que afetam os repasses de recursos públicos para vítimas de catástrofes. Esse fato foi lembrado pelo presidente da Câmara, Michel Temer, na abertura da sessão. Ele disse que trouxe "a discussão para o plano nacional" para que os parlamentares sejam subsidiados pelo tema. Bornhausen, que presidiu parte da comissão geral, defendeu uma ação suprapartidária para consolidar esse sistema. "É preciso alinhar uma política que saia dos ministérios e chegue à população sob a forma de atendimento emergencial", afirmou. O deputado também presidiu a comissão externa que visitou cidades atingidas por enchentes em Santa Catarina.

Fundo - O secretário nacional de Defesa Civil, Roberto Costa Guimarães, defendeu a criação de um fundo nacional para o setor e disse que uma proposta nesse sentido será enviada pelo governo para a Câmara. Segundo ele, os recursos são importantes porque, até o momento, o sistema de defesa civil brasileiro é financiado por meio de medidas provisórias. Além disso, é preciso reestruturar o sistema de defesa civil, transformando o Decreto 5.376/05, que regula o setor, em uma lei federal. Guimarães disse que o atual ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, dá atenção ao setor, tendo feito uma aquisição "histórica" de kits de abrigagem. "Preparamo-nos para o pronto atendimento e estamos respondendo de maneira mais positiva na fase do socorro e assistência", disse. O coordenador da Frente Parlamentar Mista da Defesa Civil, Acélio Casagrande (PMDB-SC), propôs a substituição do Fundo Especial para Calamidades Públicas (Funcap) por um fundo permanente para a defesa civil. O deputado João Oliveira (DEM-TO) também apoiou a criação do fundo e ressaltou a necessidade da formação de profissionais para atuarem na defesa civil.


Prevenção - O diretor do Departamento Estadual de Defesa Civil de Santa Catarina, major Márcio Luiz Alves, ressaltou que é preciso mudar a ótica do desastre para agir na prevenção. Ele também defendeu a criação de um fundo nacional que destine recursos para essa fase da defesa civil. Alves destacou a necessidade de adaptar as leis do setor às mudanças climáticas recentes e ao transporte de produtos perigosos, que são a maior fonte de desastres, e estabelecer a obrigatoriedade de criação da defesa civil em todos os municípios, já que muitos não têm. "Em 1995 já se falava em uma política nacional de defesa civil, e precisamos fazer com que isso saia do papel. Precisamos fazer com que aquilo que os técnicos vivem no dia-a-dia se torne uma legislação nessa Casa", disse. Na mesma linha, o diretor de Departamento da Defesa Civil de Guarulhos (SP), Paulo Victor Novaes, afirmou que a defesa civil precisa atuar de forma preventiva no País. "Parece que a sociedade acostumou-se a sempre resolver os problemas e não preveni-los. Seria um avanço os prefeitos investirem em prevenção", afirmou. Novaes disse que a defesa civil "tem que olhar para dentro do município", instituindo a figura do agente que conhece bem a região e que avalia as estruturas de edificação de cada cidade, prevendo catástrofes, como desabamentos. Em relação às iniciativas de socorro, segundo o diretor, é preciso implementar telefones de emergência, pois muitos municípios ainda não contam com o serviço. Além disso, é preciso definir parceiros, como hospitais. A última etapa, concluiu Novaes, é a da recuperação, que passa pela doação de colchão ao recolhimento de material de construção para reconstruir uma cidade.
Fonte: Agência Câmara Foto: Elton BonfinBrasília/DF